Ansiedade é genericamente utilizado para descrever uma série de condições, como apreensão, preocupação. aflição, inquietação e medo.

A ansiedade é a experiência interna que todos experimentamos diante dos desafios da vida, em que nos deparamos com três situações distintas, desejo que algo aconteça e pode ser que não aconteça, temo que algum mal e penso que possa se concretizar e a situação de impasse, onde tento resolver um problema utilizando abordagens diferentes e sem resultado que me satisfaça.

A ansiedade em si não é doença, trata-se de um sistema desenvolvido durante a evolução, para preservar o indivíduo e por consequência a espécie.

Quando podemos dizer que a ansiedade torna-se um problema? Quando a intensidade ultrapassa os limites saudáveis e causa sofrimento excessivo ao individuo.

Como saber quando isto acontece? Veja no texto abaixo algumas dicas.

Ansiedade e medo são a mesma coisa?

Quando nos referimos a transtornos ansiosos, temos que nos reportar ao DSM -V que é uma sigla inglesa para Diagnostic and Statistical Manual, que significa Manual de Diagnóstico e Estatística, publicado pela APA American Psychiatric Association ou Associação Americana de Psiquiatria, a organização mais influente do mundo sobre o tema.

A APA categoriza da seguinte forma os transtornos de ansiedade, são aqueles que onde existe medo e ansiedade excessivos e alterações comportamentais que trazem sofrimento.

Portanto, medo e ansiedade fazem parte do mesmo conceito científico, embora sejam diferentes. Podemos dizer que ansiedade é o medo em movimento, pois o medo está relacionado a ameaças presentes e a ansiedade a perigos, reais ou imaginários futuros.

Ansiedade tem cura?

Controlamos a ansiedade melhor, quando entendemos que não existe casualidade na vida psíquica, ou seja qualquer pensamento ou sentimento foi causado por algo, que chamamos de estímulo.

Durante a psicoterapia, quando compreendemos que o processo ansioso foi desencadeado por algo, real ou imaginário, podemos isolar estes estímulos e desafiá-los.

Imagine a seguinte situação, assistimos um filme de terror, em algum momento podemos sentir medo ou ansiedade, o filme é um estímulo que induz estas sensações , mas veja bem, se trata de uma obra de ficção.

Agora colocamos uma comédia, naturalmente vamos sentir alegria , se o filme for divertido, mas também trata-se de uma ficção.

Com que frequência sentimos ansiedade e medo com coisas que são “ficções” criadas pela nossa mente?

Sensações não precisam de dados objetivos para existir, verificamos isso nos exemplos.

Mas a desconstrução da ansiedade necessariamente precisa de fatos objetivos ou concretos.

Caso queira ajuda especializada para identificar ou tratar ansiedade, Antoani Werner Morelli é psicólogo em Balneário Camboriú e atende online e presencialmente, agende sua consulta clicando aqui.

Quais os principais indicativos de ansiedade?

1- Supervalorizar as ameaças

Pessoas com transtornos de ansiedade tendem a potencializar as ameaças, principalmente aquelas ligadas as suas crenças limitantes, por exemplo, alguém que se julgue incapaz de falar em público, os processos mentais deste indivíduo serão tendenciosos e excluirão uma visão positiva da situação, focando apenas naquilo que pode dar errado.

Conheci uma estudante, que durante a apresentação de um seminário ela abandonou sua fala e saiu da sala aos prantos.

Ninguém entendeu a motivação, porque para quem estava assistindo a apresentação estava muito boa.

Mas tempos depois conversando com ela, percebi que na sua percepção interna, sua atuação estava péssima.

Havia uma dissonância, entre o que se apresentava no mundo real e como ela percebia isso, causando assim ansiedade extrema.

2 – Alterações do sono

A ansiedade pode causar alterações no sono e até insônia, isto acontece devido as grandes quantidades de hormônios como cortisol, testosterona e adrenalina despejadas na corrente sanguínea pelo processo ansioso.

Compreenda que evolutivamente a ansiedade é um mecanismo para a preservação da espécie e deveria ser acionado em situações de perigo extremo.

Capacitando o indivíduo para fugir ou lutar. No mundo moderno não é bem o caso, não temos para onde fugir e nem é adequado lutar, porque a ansiedade hoje, está mais ligada a processos mentais que nos induzem a crer em “algum” mal inevitável.

Podemos temer o COVID-19, perder o emprego, ficar sem dinheiro ou perder o amor da nossa vida, nada haver com ter um tigre na porta da nossa caverna.

Mas nosso cérebro não entende a diferença, para ele um cenário mental de imaginário de perigo, carregado de emoções é tão ameaçador quanto o tigre.

Então ele faz a mesma coisa, nos enche de hormônios, que tornam quase impossível dormir tranquilamente.

3 – Reações físicas

Para além das questões mentais podemos também experimentar consequências físicas da ansiedade, rigidez nos ombros, pescoço e mandíbula são muito comuns.

Estão conectadas ao processo abordado no item anterior, aumentamos o tônus muscular pois para o cérebro existe a “possibilidade” de luta, sendo assim ele providencia que o corpo esteja pronto para isto.

Mas a ocorrência de múltiplos eventos ansiosos em um espaço curto de tempo, que não permita que o sistema se recomponha, produz fadiga e dor.

Outros sintomas físicos da ansiedade em curto prazo podem ser sudorese, mãos geladas, taquicardia, falta de ar e respiração ofegante.

No médio e longo prazo a ansiedade pode causar, queda de cabelo, alteração no ciclo menstrual, pode contribuir para o surgimento da hipertensão.

Estudo mostra que ansiosos têm 33% mais chance de ter um acidente vascular cerebral.

Outra pesquisa indica que entre os pacientes diagnosticados ansiosos, 65% apresenta sintomas depressivos se comparados ao restante da população.

4 – Como tratar a ansiedade?

Embora para a ciência não exista apenas “um tipo” eles são diversos comportamentos que fazem parte deste conceito, quase sempre é possível tratar a ansiedade com sucesso.

Dentro das abordagens utilizadas para este fim que são amplamente recomendadas, estão atividades físicas, sobretudo as aeróbicas, o Mindfullness vem ganhando espaço merecido neste campo por ser extremamente eficaz, em alguns casos é necessário tratamento psicofarmacológico, mas sempre se recomendado por um médico.

Antoani Werner Morelli é psicólogo em Balneário Camboriú, atende online e de forma presencial – CRP 12-16602 – Agendamento de consultas pelo Whatsapp; (47) 9 8822 1970 ou clique aqui para falar imediatamente com o psicólogo.

WhatsApp chat